top of page

"Highway Rider", Brad Mehldau (2010)

Atualizado: 30 de mai.

Boa tarde a todos! Hoje quero trazer para vocês um álbum que gosto muito: Highway Rider, do pianista e compositor Brad Mehldau, lançado em 2010 pela Nonesuch Records com produção do Jon Brion. Mehldau tem uma discografia imensa tanto em quantidade de discos quanto em diversidade sonoridades. Seus álbuns da série “The Art of the Trio” são referências jazzisticas atemporais, ele também flerta com o rock e os sintetizadores em trabalhos como “Jacob’s Ladder” e “Mehliana: Taming the Dragon”, contribui expandindo a música erudita com inspiradas improvisações, além de ter ganhado notoriedade por fazer versões instrumentais de clássicos do pop ao longo de sua carreira.


Mehldau é normalmente associado com suas contribuições musicais em contextos de improvisação e grande liberdade. Highway Rider é um projeto mescla de uma maneira muito bonita essa espontaneidade com as orquestrações feitas para um grupo grande (orquestra de cordas, trompas, fagotes, seção rítmica e sax solista,) com forte presença de motivos melódicos que se desenvolvem. Destaco a contribuição estelar do saxofonista Joshua Redman, que em alguns momentos parece que está flutuando em cima da orquestra. Citando um trecho escrito pelo próprio Mehldau sobre o álbum, ele diz: “eu tinha a convicção de que ele seria a pessoa capaz de encontrar uma maneira de lidar com a especificidade da música escrita e, ao mesmo tempo, romper com a ordem estabelecida.”


Uma das inspiração para a formação das cordas vem da obra “Metamorphosen”, do compositor alemão Richard Strauss, onde ele escreve partes distintas para todos os 23 integrantes da orquestra de cordas (em divisi), em vez de agrupá-los nas tradicionais 5 seções (violinos I, violinos II, violas, cellos e contrabaixos). Quando usada, a sonoridade resultante que essa abordagem permite é ao mesmo tempo delicada, por ter menos dobras em uníssono, e extremamente complexa em termos harmônicos. Mehldau também comenta que estudou muito os arranjos e orquestrações de pessoas como Francois Rauber, Bob Alcivar, Francis Hime e Claus Ogerman (em seus trabalhos com Jacques Brel, Tom Waits, Chico Buarque e Michael Brecker, respectivamente), e como eles conseguem manter a personalidade dos solistas sem deixar de serem inventivos.


Pra quem lê partitura, recomendo que assistam um vídeo com a grade orquestral animada da música “Don’t be sad” (link abaixo), perdi a conta de quantas vezes assisti a esse vídeo ao longo dos últimos 10 anos, é muito legal!


Boa audição e até logo!



FICHA TÉCNICA

Brad Mehldau (piano, composições, arranjo e orquestração)

Joshua Redman (sax soprano e tenor)

Larry Grenadier (contrabaixo)Jeff Ballard (bateria e percussão)

Matt Chamberlain (bateria e percussão)


ORQUESTRA

Dan Coleman (regente)

Andrew Radford (fagote)

Allen Savedoff (contrafagote)


Trompas

Brian O'Connor, Steven Becknell, Dan Kelley, John Reynolds, Mark Adams, Phillip Yao


Violinos

Charlie Bisharat (spalla), Alyssa Park, Robert Peterson, Caroline Campbell, Dorian Cheah, Gerardo Hilera, Jacqueline Brand, Josefina Vergara, Julian Hallmark, Michele Richards, Natalie Leggett, Philip Vaiman, Sara Parkins, Tereza Stanislav, Vladimir Polimatidi


Violas

Bob Becker, Roland Kato, Andrew Duckles, Andrew Picken, Carole Kleister-Castillo, Denyse Buffum, Qiang (John) Wang, Matt Funes, Victoria Miskolczy


Cellos

Timothy Landauer, Armen Ksajikian, Cecilia Tsan, Martha Lippi, Rudolph Stein, Stefanie Fife, Trevor Handy


Contrabaixos

Michael Valerio, Sue Ranney, David Stone, Ed Meares, Oscar Hidalgo, Timothy Eckert


Copistas

Caryn Rasmussen, Dwight Mikkelse, Elizabeth Kinnon, Kirby Furlong, Suzie Katayama, Victor Sagerquist


ÁUDIO E PRODUÇÃO

Greg Koller (engenheiro de áudio), Eric Caudieux (engenheiro de áudio - Pro Tools), Greg Koller (mixagem), Alan Yoshida (masterização), Jon Brion (produção e mixagem), Robert Hurwitz (produtor executivo), Suzie Katayama (arregimentação da orquestra), Eli Cane (coordenação de produção), Tom Korkidis (coordenação de produção)


FOTOS DESIGN

Lawrence Azerrad (design gráfico), Richard Misrach (foto da capa), Augusta Quirk (fotos da gravação)


Gravado no Ocean Way Studios (Hollywood, CA)

Nonesuch Records (Warner Music Group Company)


PAÍS

EUA


TIPO DE SOM

Jazz


LINKS

YouTube


Spotify


MiniDoc no YouTube


Partitura animada de “Don’t be sad” no YouTube


Bình luận


bottom of page